Área de RH da SEFAC reforça medidas de prevenção à Covid-19 através de palestra online para os funcionários

A Serra do Facão Energia, reafirmando seu compromisso com a segurança e a saúde de seus empregados e buscando as melhores práticas de prevenção, por meio da área de RH, convidou o Dr. Ricardo Netto, médico do trabalho, para dar uma palestra online, no dia 5 de junho, sobre procedimentos que devem ser adotados nestes tempos de pandemia.

Durante 50 minutos, os funcionários puderam tirar suas dúvidas e ouvir o médico reforçar a importância das medidas preventivas ao novo coronavírus a serem tomadas no ambiente de trabalho e fora dele, tais como: 

  • Distanciamento mínimo de 1 metro entre as pessoas.
  • Uso obrigatório de máscaras, observando a colocação correta e a higienização a cada uso ou descarte.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca. As mãos tocam muitas superfícies e podem ser infectadas pelo vírus. Uma vez contaminadas, as mãos transferem o vírus para as mucosas dos olhos, do nariz ou da boca, que são as portas de entrada para o corpo. 
  • Lavar as mãos com frequência usando água e sabão por pelo menos 20 segundos ou higienizá-las com álcool 70%.
  • Evitar aglomerações.
  • Reforçar a limpeza e desinfecção do local de trabalho e dos veículos. 

Em sua fala, o Dr. Ricardo também apresentou o cenário atual da Covid-19 em Catalão, destacando que o município se encontra no início do pico da curva de contágio da doença, por isso salientou o distanciamento social como a principal medida para desacelerar o contágio e não sobrecarregar os hospitais locais. Recomendou que as pessoas evitem locais com aglomeração, em especial o centro da cidade nos finais de semana.

Consultoria em Saúde Organizacional

O Dr. Ricardo Netto, médico consultor contratado pela SEFAC, dá suporte ao RH da empresa, orientando os funcionários que apresentam sintomas que podem ser ou não considerados do coronavírus e acompanhando, caso seja testado positivo, a evolução do quadro. Também é responsável pela comunicação e notificação junto aos órgãos competentes.


O que você precisa saber e aprender sobre a pandemia?

Em mais uma parceria com a CSC Energia, a SEFAC participou da live do Dr. Fábio Satake Gonçalves, também médico do trabalho e especialista em cuidados e prevenção da Covid-19, no dia 18 junho.

Dr. Fábio abriu sua fala traçando uma linha do tempo desde a identificação do vírus, em 20 de dezembro de 2019, passando pelo mês março, quando foi decretado estado de pandemia pela OMS devido ao crescimento exponencial de casos, até meados de junho, mês no qual o foco da doença no mundo passou a ser as Américas.  Alertou sobre a tendência de a curva ser ascendente. “Não estamos com o quadro controlado da doença. É preciso fazer um plano de contingência para o enfrentamento desse vírus”.

Sobre a transmissão, explicou o doutor

No início da pandemia, os casos suspeitos eram de pessoas que haviam viajado. Agora, já existe a transmissão local, indicando um quadro gradativo de piora.

“O contágio se dá de pessoa para pessoa por meio de gotículas respiratórias, do nariz ou da boca que se espalham quando alguém doente tosse ou espirra. A maioria das gotículas caem sobre superfícies e objetos. Ao tocá-los e levar as mãos involuntariamente aos olhos, nariz e boca ocorre a contaminação pelas mucosas”.

Cada tipo de superfície determina o tempo de atividade do vírus. O Dr. Satake cita exemplos. Sobre o aço inox [geladeira, panelas pias, garrafas, talheres, maçanetas]: 2 a 3 dias. Plástico: 2 a 3 dias. Papel: até 5 dias. Cerâmica; [pratos, canecas]: 5 dias. Alumínio: 2 a 8 horas. Madeira: 4 dias.

O período de incubação também foi abordado: são de 2 a 14 dias. Quanto ao período de transmissibilidade, nos pré-sintomáticos ainda é incerto. Mas após o surgimento dos sintomas, o contágio se dá enquanto eles persistirem.

Explicou a importância dos testes RT-PCR e o sorológico para acompanhar o desenvolvimento do novo coronavírus no País e, assim, proteger a população. Apesar de a comunidade cientifica estar se debruçando sobre pesquisas num tempo recorde, é preciso ética, pois a pressa não é aliada da ciência. E é ela que trará os caminhos seguros para enfrentar esse novo tipo de vírus que surpreendeu a todos nós.

“As medidas preventivas são a nossa proteção.”

 

Como o Dr. Ricardo Netto, ele também aponta a importância de higienizar muito bem as mãos com água e sabão ou álcool 70%, deixar os ambientes bem ventilados; usar máscaras, evitar aglomerações e manter o distanciamento social. Acrescentou a atenção que se deve ter com os machucados: “Como a transmissão do novo coronavírus se dá pelo contato com secreções, é prudente deixar as feridas da pele protegidas pela roupa ou por um curativo.” Recomendoumanter a saúde equilibrada, se alimentar bem e beber bastante água.

Podemos inferir, então, ser preciso que as pessoas se sintam responsáveis por si mesmas e pelos outros para que o número de contaminados não exploda..

O que se pode fazer em cada lugar do trabalho, seja na área operacional seja na administrativa

Observar o quadro clínico do funcionário. O monitoramento diário da temperatura é uma ferramenta que ajuda no controle –  acima de 37.8º é um ‘sinal amarelo’. O estado febril associado a sintomas como tosse, dificuldade de respirar, fadiga, anosmia [diminuição ou perda do olfato], hiposmia [diminuição ou perda do paladar] são praticamente indicativos de contaminação.

“O vírus está mudando”, conclui Dr. Fábio e faz uma comparação com o do HIV que tem sua estrutura modificada. Por isso a dificuldade de se criar uma vacina. Se há ou não reinfecção, se a pessoa contaminada fica imunizada e por quanto tempo, são questões ainda inconclusivas.  Por enquanto, não há certezas. 

Aferição de temperatura: mais uma das medidas da SEFAC para proteção de sua equipe

Medir a temperatura ao chegar no local de trabalho passou a fazer parte da rotina dos funcionários da SEFAC. Essa é mais uma iniciativa da empresa para monitorar a saúde dos funcionários em relação a focos da Covid-19.

Se o funcionário apresentar temperatura acima dos 37,8ºC, a área de RH será imediatamente informada e entrará em contato com o médico contratado pela SEFAC, Dr. Ricardo Netto, que conversará com o funcionário febril sobre seus sintomas para fazer o diagnóstico diferencial e tomar as providências cabíveis. Uma vez que a probabilidade seja de contaminação pelo coronavírus, o paciente será encaminhado ao serviço médico para avaliação clínica.

Post Author: editor